Amores Meus, Vida Minha


Nublar

 

 

Hoje aqui

amanheceu nublado,

sereno, frio, silêncio.

Apenas

o canto dos pássaros

e os risos de Cecília

encantam

a manhã

singela.

A bela

manhã...

Céu branco de nuvens paradas.

A sensação longínqua do azul por detrás...

 

(Nublado, nublar... E só agora percebi a beleza desta palavra...)

 

Vontade de sair sem rumo,

por aí,

andar a esmo,

sentar em qualquer lugar

e esquecer o tempo, passando...

O tempo nem passa quando amanhece assim...

O tempo para, tudo para.

Só o canto dos pássaros e os risos de Cecília

são o movimento da vida...

Até o vento

que faz dançar os galhos das árvores

parece incorporado ao instante eterno,

ao agora, que é o infinito.

 

E aos poucos os raios de sol, poderosamente,

aquecem as nuvens, perfuram caminhos, iluminam...

O vendedor de limões passa gritando... as vizinhas acordam a encomendar o cuzcuz e a tapioca, com manteiga ou coco seco, na casa ao lado... vem o vendedor de pamonhas, de vassouras e o de pães...

O vento se acalma, outros cantos e risos se movimentam e o tempo volta a passar...

 

(mas aquele instante transformado,

Eterno e branco, dura

para sempre,

Dentro de mim...)

 

 

 

 

 



Escrito por Ghys às 09h39
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Histórico


    Outros sites
     Pequenas Coisas
     A Página Branca
     Papiros de Alexandria
     Remoto Controle
     Clepsidra
     Henry Burnet
     Fragmentos
     Palavrogramas
     Mostre a Língua
     Já Basta! EZLN
     Ousadia
     Verbo 21
     Página Crítica